Blog

fintech rh

Serviços digitais: como a tecnologia mudou a forma de lidar com as finanças?

última atualização dia 4 de maio de 2021

servicos-digitais

Parece ficção mas é a realidade atual. A revolução digital, iniciada com a popularização da internet, transformou toda a nossa rotina. Inclusive no que diz respeito aos serviços digitais e a nossa relação com o dinheiro.

Se hoje, o nosso dia a dia é completamente diferente do que há dez anos, o que podemos esperar para as próximas décadas – principalmente em relação ao sistema financeiro?

Neste artigo, você vai conferir uma breve análise dessas mudanças, que apontam para o inevitável e buscam prever como será a vida das pessoas e empresas nos próximos anos.

Revolução dos serviços digitais

Lembra quando era necessário ir até uma agência bancária para resolver as necessidades financeiras mais simples? Contratar um serviço de crédito, realizar uma transferência entre contas ou mesmo consultar o seu saldo, tudo dependia de sair de casa, passar horas no trânsito, aguardar longas filas e ter que se deslocar novamente. Agora isso mudou.

Hoje, do mais jovem correntista de uma grande cidade ao aposentado que vive no interior, basta um toque no seu smartphone para solucionar a maioria das questões financeiras. E a tendência é isso evoluir cada vez mais.

A migração dos serviços bancários para o digital é uma tendência que se consolida no mercado e que deixa o cliente no centro do controle de suas finanças. As novas fintechs financeiras despontam todos os dias entre as empresas que mais crescem no Brasil e têm dado velocidade ao processo de digitalização dos bancos. O que antes um gerente ou caixa resolveria para um cliente, hoje está acessível por meio de um aplicativo, na tela de um smartphone.

Além de facilitar a vida de todas as pessoas, indústrias inteiras passaram a depender dos serviços digitais e da velocidade que eles oferecem. Hoje, as empresas têm facilidade em muitos processos com essa transformação digital nas rotinas bancárias e processos burocráticos, tendo mais recursos como antecipação de recebíveis, aumento no prazo para o pagamento de boletos de fornecedores, uma linha de crédito adicional aos clientes e também a simplificação do empréstimo consignado, com uma automação e descomplicação das etapas. E todas essas soluções têm um resultado em comum: a redução dos custos de todos os trâmites.

O Pix é um exemplo dessas mudanças, pois ele permite que você faça pagamentos instantâneos para seus funcionários, sem precisar de agendamento ou cadastro de outras contas no processo de contrato, bastando apenas um dado pessoal que seja a chave do colaborador para realizar o pagamento.

Ou talvez você lembre quando as empresas contavam com motoboys para fazer serviços de banco? Uma realidade que após a digitalização ficou cada vez mais rara. Hoje, podemos resolver tudo via app, chat e canais de comunicação direta, sem filas, estresses e etapas mais longas.

Junto a isso, tem as suas ações cotidianas e pessoais. Pense por um instante: o que você faz quando quer comer algo diferente, ou conhecer outras pessoas, ou visitar novos lugares?

Você provavelmente acessa a internet antes de tomar uma decisão, isso já faz parte do dia a dia das pessoas, mas como isso afeta sua relação com o dinheiro?

Se você já se pegou muitas vezes:

  • Assistindo um vídeo antes de decidir abrir um crédito consignado;
  • Lendo sobre as melhores opções de investimento com rendimentos além da poupança em um blog;
  • Baixando um aplicativo de controle financeiro para controlar os seus gastos pessoais.

Parabéns! Você já chegou na era digital. Ou seja, se faz tempo que você não vê papel moeda porque o dinheiro passou a ser mais virtual do que nunca, saiba que você faz parte da nova digitalização dos serviços financeiros, e que eles podem e devem funcionar para você.

Futuro do dinheiro

O futuro é agora e muitas pessoas ainda estão começando a tomar consciência disso. A velocidade das transformações na última década mudaram a forma de consumir e se relacionar, sobretudo com serviços bancários.

Afinal, será que é possível nos prepararmos para as próximas mudanças?

Olhar para a realidade atual e, a partir daí, traçar possíveis caminhos é inevitável. Sendo assim, o que podemos avaliar para considerar nossa reflexão sobre o futuro? As seguintes tendências são um bom começo:

  • inteligência artificial: que permite um atendimento mais ágil aos serviços financeiros digitais e melhorar ainda mais a experiência do cliente;
  • criptografia: a segurança da informação é aspecto essencial na sociedade, sobretudo quando está relacionada a transações financeiras. Com a criptografia, qualquer processo tem a proteção de dados e oferece mais confiança a quem precisa realizar qualquer transação.
  • blockchain: com o objetivo de proporcionar mais segurança aos produtos e serviços financeiros, o que previne as fraudes nos pagamentos e possíveis ataques cibernéticos;
  • computação quântica: que possibilita mais personalização dos serviços financeiros, previsibilidade e otimização dos processos.

Muito já está sendo explorado nesses diferentes contextos, mas a presença cada vez mais forte de tais fatores deverá provocar uma mudança sem precedentes no comportamento do consumidor em relação aos serviços financeiros digitais.

A descentralização, por exemplo, que a criptografia e inteligências artificiais já permitem, traz um forte indício de que as relações de poder serão reconfiguradas. Os indivíduos terão mais autonomia e as empresas estarão a serviço de demandas inteiramente novas em relação às finanças pessoais e também corporativas.

Como se preparar para receber as mudanças dos novos serviços financeiros digitais

A melhor maneira para se preparar é compreendendo o presente. Se a tecnologia já se tornou uma realidade, para coexistir e aproveitar o máximo das soluções que ela permite, é preciso reconhecer a evolução dos serviços digitais e integrá-la no seu dia a dia, como:

  • Realizar modelos de transações instantâneas e sem burocracias;
  • Investir na Integração de plataformas (computadores, celulares, aplicativos que promovam mobilidade);
  • Oferecer um atendimento mais personalizado ao cliente, seja pelo uso da computação quântica ou pelo uso de assistentes virtuais que agilizam o processo e permite que mapeei melhor a solução que a pessoa busca;
  • Investir em contratos inteligentes com seus colaboradores;
  • Redimensionamento dos espaços físicos onde os serviços financeiros são prestados, prezando pelos escritórios inteligentes e o uso da tecnologia;
  • Entendimento dos novos canais de atendimento ao cliente
  • Como será gerida a carteira dos clientes e empresas assim como será facilitado o acesso à educação financeira
  • Dinamização dos investimentos, e muito mais.

As próximas transformações vão refletir um amadurecimento acerca do que já está sendo alterado hoje. E você, como gostaria de ver transformada a sua relação com o dinheiro por meio dos serviços financeiros digitais? Note que a autonomia financeira pode estar em suas mãos – muito mais do que você imagina.

E, por falar em mudanças, para quem quer desde já cuidar das finanças pode encontrar dicas valiosas em nosso artigo e garantir mais tranquilidade para o presente e futuro.